Convocação de Assembléia Geral Extraordinária

Escrito por edição em .

FBVV – CNPJ 45.186.848/0001-95

Ficam convocadas todas as entidades filiadas a FBVV, a comparecerem a AGE que se realizará nas dependências do Aeroclube de Bebedouro, (Rodovia Brigadeiro Faria Lima, km 384 – Bebedouro – SP – CEP 14700-970), no dia 15 de fevereiro de 2015, às 18:00h em primeira convocação, e as 19:00h em segunda convocação, para na forma e com o quorum estatutariamente previstos, deliberar sobre as seguintes pautas/ordens do dia:

1) Eleição de Membros do Conselho Fiscal, para recomposição dos cargos de membros declarados impedidos pela Assembléia Geral Extraordinária de 10 de janeiro de 2015, conforme consta na Ata.

2) Aprovar a Alteração Estatutária do Art. 2º do Estatuto da FBVV, do endereço da Sede da FBVV para Praça Rocha Falcão, nº 47, Sala 1, São Paulo, SP; São Paulo, 28 de janeiro de 2015.

 

Antoniebi Vieira Torres
Presidente da FBVV
(publicado no Jornal o Dia SP nos dias 05, 06 e 07/02/2015)

 

Veja o Edital.

Convocação de Assembléia Geral Extraordinária

Escrito por edição em .

Ficam convocadas todas as entidades filiadas a FBVV, a comparecerem a AGE que se realizará nas dependências do Aeroclube de SP, (Campo de Marte, Av. Olavo Fontoura, 650 – Zona Norte), no dia 10 de janeiro de 2015, as 9:30h em primeira convocação, e as 10:00h em segunda convocação, para na forma e com o quorum estatutariamente previstos, deliberar sobre as seguintes pautas/ordens do dia... 

Veja o edital

Diferentes tipos de Handicap

Escrito por edição em .

Matéria escrita por Henrique Navarro.

"Ave,

A idéia deste estudo é trazer um pouco de luz a discussão dos diferentes tipos de handicap, buscando sempre fatos. A minha conclusão, é que o sistema Francês é o que melhor atende as nossas necessidades em competições.

Este não é um texto enfadonho que semeia a cizânia: o mesmo busca o esclarecimento, e uma discussão produtiva.

Convido vocês a leitura, e a discutir se pairarem dúvidas – até porque de longe sou o dono da verdade. Se eu puder contribuir com algum esclarecimento, por favor me copiem no e-mail, pois não acesso a PB.

 

Sistema de handicap fixo Alemão

O que é: Sistema de handicap fixo criado para as competições de distância Alemãs, onde decola-se no início do dia e pousa-se o mais tarde possível. Ganha quem fizer mais km. A velocidade é um fator secundário, sendo o tempo de vôo, fator mais relevante. Um piloto que voar 5 horas a 100km/h, vai perder de um piloto que voou 5:30 horas a 91km/h (9km/h em competições é algo muito relevante). Não é utilizado em competições de velocidade, como campeonatos.

Pontos fracos: Não é preciso para competições, ou é tão preciso quanto uma competição de distância requer. Note que a Alemanha não usa handicap em suas competições (exceto obviamente a Club Class), o que é plausível para um país que tem os maiores fabricantes de planador: quem vai representar a Alemanha em Campeonatos Mundiais são os melhores conjuntos piloto+planador. Um ótimo piloto alemão de Nimbus 3 dificilmente vai se classificar para representar o seu país. Exemplos de imprecisão: 

- Nimbus 4 com 750 kg (TM, Kunath) tem handicap de 124, o mesmo do Nimbus 4 com 850kg (N1, Navarro).

- Quintus com handicap 123, inferior ao planador que veio substituir, o Nimbus 4 com PMD de 750kg, projeto de 25 anos atrás. Trato deste tema em tópico a parte, mais adiante.

- DG 800 com 525kg tem o mesmo handicap do DG 800 com 600kg.

- Até o ano de 2010, o handicap Alemão pulava de 2 em 2 (não existiam números ímpares), e o handicap era diferente do que é hoje. No ano de 2011, eles começaram a usar números ímpares e fizeram um “achatamento” onde o ASW22/Nimbus 4 caiu de 128 para 124. Um corte de 4 pontos de uma ano para outro reforça a pouca precisão do sistema.

Pontos fortes: Alguns planadores são testados pelas Idafliegs/Akafliegs, tornando o sistema mais preciso. Porém, alguns planadores não foram testados, como o Quintus, de onde advém maiores distorções.

Note que uma coisa é ter a polar via Idaflieg, a outra é decidir para qual índice térmico médio essa polar será utilizada. Estima-se que o handicap fixo Alemão reflita um índice térmico próximo a 2.5m/s, o que seria o equivalente ao encontrado durante um vôo de longa duração, mas dificilmente refletiria o índice térmico encontrado durante os nosso campeonatos – onde aproveita-se o melhor do dia, em provas de 3 horas em média. Para efeito de comparação, o índice térmico encontrado em LEM 2013 foi de 3.8m/s no Nacional e de 5.2m/s no Pré-Nacional. E Formosa 2014 foi ainda mais forte.

 

Sistema de handicap fixo Francês

O que é: Sistema de handicap fixo utilizado nas competições francesas. Tem como o base o sistema de handicap Alemão, sofrendo alterações em casos onde a realidade em competições se mostra diferente, ou onde o handicap Alemão é omisso.

Pontos fortes: É aprimorado ano a ano baseado nas experiências de competições francesas e Mundiais. A massa crítica é enorme, e muito qualificada. A versão para 2014 reitera todos os handicaps usados para os planadores em Formosa, que foram baseados na versão de 2013.

 

Sistema de handicap fixo Australiano

O que é: A Austrália possui condições que muito se assemelham ao Brasil quando o assunto é competições. É forte mas chove. É bom e é ruim também. Este sistema de handicap não contemplava o Quintus no momento da nossa reunião em LEM em 2013, por isso não foi considerado. Porém, o fato é que um Quintus foi comprado por um piloto Australiano, logo uma solução deveria ser dada. A GFA – Gliding Federation of Austrália publicou a sua lista de handicap para os anos de 2014 e 2015, onde o Quintus aparece com handicap de 1.095, 2 pontos superior ao Nimbus 4 com 1.075 (de fato, a diferença percentual Quintus x Nimbus 4 é de 1.61% no handicap Francês, e de 1.86% no handicap Australiano, ou seja, ainda maior que a do Francês). Vide Anexo A.

Pontos fortes: Os Australianos voam suas competições com handicap fixo, logo o mesmo divide as mesmas qualidades do Francês quanto a (i) maior massa crítica que no Brasil e (ii) aprimoramento ano após ano baseado em experiências dos pilotos em competições.

 

Informações específicas sobre o Quintus

Histórico

O Quintus é o planador que veio substituir o Nimbus 4, ponto final. Tal superioridade foi confirmada em campeonatos Mundiais, sem handicap.

O desenvolvimento de novos perfis durante 2011 permitiram o surgimento de asas muito avançadas, com menor envergadura (aspect ratio de 36, contra 39 do Nimbus 4) sem afetar o L/D. Lembrando que os perfis de asa do ASW22BLE/Nimbus 4 são de 1989, ou seja, de 25 anos atrás. Essa nova leva de planadores – Quintus e seu irmão Antares 23, e o JS1-21 - visava a trazer a Open Class a um novo patamar, graças a uma combinação de melhor handling, maior carga alar, e velocidades na polar cerca de 20% superiores, com o mesmo L/D. Por exemplo, o melhor planeio do Quintus (850kg, 58kg/m2) é de 148km/h, versus o Nimbus 4 (850kg, 48kg/m2) com R$ 125 km/h.

Resultado em Mundiais

Uvalde 2012:

- Tempo muito forte, primeiro campeonato do Quintus, com os pilotos sem tempo para treinar com o planador.

- O Laurent Aboulin foi campeão mundial com o Quintus.

- O melhor ASW22/Nimbus 4 ficou na 17ª posição, com 86% dos pontos do Quintus.

- O Michael Sommer com o EB29 ficou em segundo, voando com pontas de asa de 25 metros, e não as de 29 metros. Envergadura não é tudo.

 

Leszno 2014:

- Tempo ruim, o Laurent Aboulin com o Quintus ficou em 5º, voando em ala com o Killian Walbrou com um JS1-21 metros que ficou em 4º (ficaram separados por 0.4%).

- O melhor ASW22/Nimbus 4 ficou na 14ª posição, com um ótimo piloto (Petr Krejcirik), que fez 91% dos pontos do Quintus, e 88% dos pontos do primeiro colocado.

- Interessante notar que o piloto do planador vencedor do certame, o Michael Sommer com o EB29, não estava na frente até a metade do campeonato, quando resolveu trocar as pontas de asa de 29 metros do EB29 pelas pontas de 25 metros (tal troca durante o campeonato é permitido na Open), a mesma envergadura que ele voou em Uvalde.

 

Handicap - Quintus

- Timeline: No momento da reunião em LEM em 2013, não existia o Quintus no handicap Alemão, nem em nenhum outro sistema, exceto o Francês. Depois em 2014, o Quintus foi inserido no handicap Alemão com o mesmo índice do OLC de 123 (1 a menos que o Nimbus 4 – 750kg).

- OLC: O handicap de 123 é uma arbitragem do OLC, para que os pilotos que tem Quintus possam pontuar no OLC.

- Polar: Não há. Nenhuma Idaflieg/Akaflieg testou o Quintus. Não há planos para que este teste ocorra por agora.

- Posição da Fábrica: Quando o OLC começou a considerar o Quintus com handicap 123, eu liguei para a Schempp-Hirth para saber como eles chegaram a essa conclusão, se a fábrica já tinha a polar do Quintus por exemplo. A resposta foi “Não sabemos, o pessoal da OLC nunca nos ligou; Não temos a polar do Quintus; 123 é pouco, mas os donos de Quintus que querem fazer pontos no OLC não vão reclamar”.

 

Performance

- Opinião de quem voou todas essas aeronaves: De um amigo que foi 3x Campeão Europeu com um Nimbus 4, ficou em 5º com um Antares 23 (irmão do Quintus) no Mundial em Uvalde 2012, e 6º com um JS1 21-metros no Mundial em Leszno 2014: “Hoje na Open Class existem 3 categorias de planadores: o Concórdia, muito superior; o grupo formado por EB29, Quintus, Antares 23 e JS1-21 – dentre estes, ganha o melhor piloto; e o resto – ASW22BLE e Nimbus 4”. “Até que subíamos igual aos Nimbus 4 e ASW22, mas quando chegávamos no topo das térmicas, olhávamos para eles e dizíamos “good-bye””. “Nimbus 4 e ASW22 não conseguiam nos acompanhar de jeito nenhum”.

- Vôos em Formosa. Cada um pode ter a sua opinião, e isso é fruto da capacidade de cada um de analisar uma situação de maneira imparcial. Uma análise correta leva a conclusões válidas e aí pode-se avançar como pessoa e/ou piloto. Estou mais do que certo, que o handicap de 126 utilizado para o Quintus em Formosa, lhe garantiu uma vantagem competitiva da ordem de 2% a 4% sobre todos os outros planadores, devido ao fato que o índice térmico foi o mais alto já voado em nossos campeonatos. Essa vantagem competitiva pode se tornar uma desvantagem competitiva caso tenhamos campeonatos em tempos mais fracos – mas isso é algo que temos que conviver, são as mazelas do handicap fixo e cada piloto tem que simplesmente fazer o seu melhor para neutralizar uma eventual situação de desvantagem. Por fim, se necessário for, consigo com 5 minutos de análise (via SeeYou) dos vôos em Formosa 2014, comprovar categoricamente a superioridade do planador Quintus sobre o Nimbus 4, para qualquer audiência.

 

Planadores que voaram em Formosa – diferenças entre os sistemas de handicap:

 

Abraço a todos!

HN

N1"

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 

 

Campeões!

Escrito por edição em .

Champions

Olímpica

1.

Sérgio Bassi

CVV-CTA

4068

2.

Braucílio Foganholo

Marília

4026

3.

Júlio Alves

APP-Jundiaí

3742


Racing

1.

André Meneghin

Planalto Central

4478

2.

Fabiano Almeida

Planalto Central

4396

3.

Fábio Pimenta

Bebedouro

4075


Open

1.

Henrique Navarro

Bauru

5561

2.

Egon Rehn

Planalto Central

5458

3.

Claudio Schmidt

Rio Claro

5295

 

Copa Sul Americana 

Champions

Racing

1.

Luis Colombero

Argentina

4676

2.

Mauricio Delfabro

Argentina

4639

3.

André Meneghin

Planalto Central

4328

 

 

 

Redes Sociais